“Homens trabalham mais que mulheres”

Post TopoOntem (11/08) o ministro da Saúde, Ricardo Barros, nos presenteou com uma perola.

Durante anuncio da criação de um plano para aumentar as estatísticas de atendimento a homens na rede pública de saúde do Brasil afirmou que os homens vão menos aos serviços de saúde porque trabalham mais.

Vejam bem, nada contra que se crie um plano de ação para que os homens frequentem mais os consultórios médicos de forma preventiva, mas o meu desconforto (e de muitas pessoas) é com a visão distorcida do ministro da Saúde.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) de 2014 mostra que as mulheres têm uma jornada semanal de quase cinco horas a mais que os homens. Apenas no trabalho doméstico, a jornada de trabalho das mulheres, de 20,6 horas, é mais do dobro da observada para nos homens, de 9,8 horas por semana. A mulheres trabalham em média 56,4 horas semanais e os homens 51,6 horas.

Sobre este tema, a OIT (Organização Internacional do trabalho) nos traz dados preocupantes:

“As mulheres continuam a trabalhar mais horas por dia do que os homens quando se considera o trabalho pago e o trabalho não remunerado. Em particular, as mulheres trabalhadoras têm, em média, dias de trabalho mais longos do que os homens trabalhadores. Mesmo quando estão empregadas, continuam a realizar a maior parte das tarefas domésticas não remuneradas e de cuidados, o que limita a sua possibilidade de aumentar o número de horas trabalhadas no trabalho remunerado, formal e no trabalho por conta de outrem e remunerado. Além disso, o subemprego é significativamente mais elevado nas mulheres do que nos homens. “

Segundo os dados do IPEA, homens ainda ganham mais do que as mulheres: em 2014, homens tinham o salário médio de R$ 1.831, enquanto as mulheres ganhavam R$1.288.

Mulheres trabalham mais e ganham menos e infelizmente esta questão foi simplesmente ignorada pelo Ministro da Saúde ao fazer tal declaração. As pesquisas citadas são apenas algumas do vasto material que demostra o quanto ainda estamos muito devassados na luta pela igualdade entre os gêneros.

O Brasil é o segundo pior entre os países quando o assunto é igualdade de salário entre homens e mulheres, segundo o Índice Global de Desigualdade de Gênero, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial.

Hoje (12/08), o Ministro da Saúde enviou nota pedindo desculpas “se foi mal interpretado na frase que disse que os homens trabalham mais”.  Na nota, o ministro justificou que sua afirmação usou como base o número de homens no mercado de trabalho.

Com suas afirmações podemos ver que o ministro desconsidera todo o contexto de trabalho de homens e mulheres e a desigualdade existente que gera sobrecarga de trabalho para a mulher e salários mais baixos. Em seu pedido de desculpa usa a máxima já conhecida forma de se desculpas sem se desculpar: “desculpe se VOCÊ não entendeu o que eu quis dizer”.

Lamentável.

 

Comentário

comentários

Sem Comentários

Deixe um Comentário: